Monday, September 13, 2010

Brasil

Volto ao blogue para escrever sobre as minhas poucas viagens pelo mundo e quero começar pelo Brasil. Primeiro porque revi uma grande amiga brasileira que conheci em Portugal, depois porque conheci gente maravilhosa originária deste país e por fim mas não menos importante, achei o Brasil um país lindíssimo e as pessoas bastante afáveis.
Tive a sorte, ou por outra, escolhi aterrar no Rio de Janeiro em vez de São Paulo por questões práticas e foi o melhor que fiz. Os primeiros dias que passei lá (antes de embarcar para o Chile) foram uma coisa surreal! As panorâmica da cidade é de cortar o fôlego...aquele mar, aquele céu azul, a comida, a vista panorâmica do Morro da Urca, o encontro com um colega e agora amigo do Global Voices, o reencontro com o meu amigo Pedro que anda a viajar pelo mundo e a hospitalidade das pessoas são aspectos que não posso esquecer.
Quando aterrei no Galeão, tinha o Diego e a família dele à minha espera. Super simpáticos, convidaram-me a ficar em casa deles durante os três dias. Deram-me dormida, comida e atenção. Diziam-me sempre, "a nossa casa é como coração de mãe, cabe sempre mais um."
Foi o Diego, baiano de gema, que me apresentou ao Rio. Por estar de passagem no RJ, ele não conhecia assim tão bem a cidade, mas isso não o impediu de me levar a passear, de passar os dias inteiros com esta que vos escreve. Ora sorrindo, cantando ou arfando comigo devido às altas temperaturas.
Bebi água de côco (é assim que se escreve, senhores?) no calçadão. Abracei a estátua de Drummond de Andrade como se estivesse viva, comprei havaianas porque os all-star davam-me escaldões de tanto andar e curti. Curti e aproveitei como se o dia fosse terminar no dia seguinte.
Passados os três dias, eu e Diego fomos para o Chile. Ele estava super entusiasmado e eu também claro, mas eu já estava em clima de férias há mais de um mês, além de não estar particularmente excitada por ter de apanhar dois aviões para chegar a Santiago. A minha estadia no Chile ficará para outra altura pois não quero fazer aqui um testamento de duas páginas.
Uma semana depois de regresso ao Brasil, passei mais um dia no RJ e agastada com o número de aviões que já tinha apanhado no espaço de semana e meia, decidi ir para Recife de camioneta (ônibus). No Recife ou Hellcife como diz um amigo meu natural daquela cidade, reencontrei a Isabella. Amiga de há alguns anos que vivera em Lisboa durante alguns anos e que regressara ao Brasil por um amor "made online".
A viagem por terra durou quase três dias e graças a esta minha decisão pude ver o Brasil de perto e constatar o que já sabia..que o Brasil é de facto um país lindo de morrer! Foi uma viagem solitária mas enriquecedora eu diria. E ao contrário da minha natureza, não tive problemas em almoçar sozinha nas paragens que fazíamos e em circular na minha própria companhia.
Mas como dizia, fiz Rio de Janeiro/S. Salvador da Bahia. À hora que fui comprar o bilhete não havia ligações directas para o Recife mas não me importei. Estava com espírito de viajante e contava chegar à Bahia, comprar o bilhete para Recife e seguir viagem no mesmo dia. Mas o deus dos navegantes devia estar a olhar por mim e vendo-me impossibilitada de seguir viagem nessa mesma noite (em que cheguei à Bahia) porque a camioneta já tinha zarpado, vi-me obrigada a comprar bilhete para o dia seguinte.
Chegar à noite a um destino desconhecido e sem ninguém à espera é complicado. Sendo mulher e estrangeira pior ainda. Felizmente, o meu anjo-da-guarda olhava por mim e a ajuda veio sob a forma do motorista da camioneta que me levara para SSB. Ele chamou um carregador de malas e disse-lhe para me levar ao hotel-do-qual-já-não-me-recordo-o-nome. O dito hotel ficava a cinco minutos a pé da estação rodoviária e desconfiada como sempre, fixei ao máximo as características do meu carregador, não fosse o diabo tecê-las. Só baixei a guarda quando ele mostrou-me o crachá que trazia ao peito com a identificação.
Bom, chegada ao hotel, atirei-me para a cama, acendi o televisor, tomei banho, comi e desmaiei de cansaço. No dia seguinte, após checar emails e garantir o meu bem-estar aos amigos brasileiros que me chamaram de doida por me enfiar nessas estradas de meu Deus (parece que as estradas brasileiras são do pior...totalmente inseguras...mas eu venho de Portugal e Angola onde as estradas podem ser igualmente consideradas merdosas), segui finalmente rumo ao Recife onde a Isabella me aguardava de braços abertos.
Não gostei do Recife de jeito nenhum!!!! Para começar, o calor é de cortar à faca e como bem sabem, odeio o calor! Depois, pouco ou nada fazia porque a Isabella passava os dias na faculdade e no trabalho. E finalmente, achei a cidade feia para burro. O que me salvou foram os nossos passeios a Olinda e Porto de Galinhas. Oh que sítios maravilhosos. Ideiais para umas férias de sonho ou lua-de-mel de sonho!!
Depois de duas semanas e poucos dias no Recife, voltei ao Rio de Janeiro a pedido de uma boa amiga do Global Voices e também porque estava a dar em doida na pasmaceira que é o Recife (sim, eu sei que é uma cidade super cultural, mas o provincianismo dos recifenses é assustador).
Mas voltando à vaca fria..voltei ao Rio, desta vez de avião, onde viajei com a Elba-cada-vez-mais-velha-e-esquisita-Ramalho, onde passei os meus últimos quatro dias antes de regressar a esta terra poeirenta conhecida como Angola. Fiquei na Urca em casa da Debs, onde claro, fui super bem recebida por ela, a mãe e o gato a quem só pus a vista em cima, três dias depois. Ela levou-me a passear pela Urca, pelo calçadão, fomos a um boteco onde se ouvia samba ao vivo e cujo dono recebia frequentemente clientes angolanos, fui a restaurantes de boa comida e enchi a alma de alegria e prazer.
E foi assim a minha passagem por esse belo Brasil. Senti-me parcialmente em casa. Fui bem recebida e fiz boas amizades. Espero um dia puder voltar...

4 comments:

L.S. Alves said...

Clara adorei o teu relato. E só tu mesmo pra encarar um ônibus Rio/Salvador.
Um abraço moça.

Clara Onofre said...

Oi Luciano, ainda bem que curtiste o relato. Acredita que se pudesse voltava a viajar de ônibus. A melhor forma de se conhecer um país é por terra.
Abraços

Lu Vieira said...

Claro, gostei muito de ler o seu relato! Eu ainda não conheço o Rio de Janeiro. No ano que vem com a chegada das minhas férias pretendo ir para Recife. Eu não tenho problema com o calor, pois sou muito friorenta. Gostei também das fotos que ilustram o seu blogue. São lindas! Beijos!

Clara said...

Muito obrigada Lu. Vais adorar o RJ com certeza:-)
Bjks