Wednesday, January 7, 2009

Barrigas de aluguer

Felizmente tenho a DStv em casa, o que me permite aceder a bons canais de informação estrangeiros, como a SIC Internacional e a SIC Notícias. Bom, isto para dizer que vi este fim de semana na SIC, uma reportagem interessantissíma sobre barrigas de aluguer. Parece que esta situação é mais comum do que imaginava. Não tenho nada contra este tipo de escolha. Muito pelo contrário, até porque sou liberal acima de tudo. Acho justo que uma mulher se "ofereça" para ser a incubadora do filho de outra mulher. Algumas agem deste modo por dinheiro, outras por genuíno altruísmo. Porquê gastar fortunas com a inseminação "in vitro", quando por menos se pode alugar um ventre saudável? Desde que se acatem as regras básicas de civismo e consciência, tudo bem por mim. Não acho que seja uma situação anti-natura (ao contrário da clonagem) e entendo que casais desesperados tomem esta decisão.
O problema surge quando pais e mães ansiosos por um filho, envolvem-se com redes clandestinas. Como o casal dinamarquês que foi ao Peru e pagou uma fortuna a uma jovem mulher para que esta concebesse. No Peru as barrigas de aluguer são ilegais, mas esta condição não impediu que a jovem em causa engravidasse. A partir do seu país de origem, enviava mails com imagens das ecografias e afirmava estar tudo bem. Até ao dia em que pelo mesmo método, avisou os futuros pais dinamarqueses que tinha perdido o bebé num acidente de viação. Quando o casal lhe pediu o comprovativo, ela enviou um papel qualquer que eles assumiram como certidão de óbito. Só meses mais tarde, é que descobriram que o papel não passava de uma receita médica. Entretanto, decidiram voltar a tentar. E mais uma vez pagaram a peso de ouro para a jovem engravidar. Como sempre, ela afirmava estar grávida e dizia que tudo corria bem. Até que a equipa de reportagem que esteve com o casal dinamarquês decide viajar para o Peru, atrás da mãe de aluguer. Lá descobrem que a jovem não estava grávida e que a tal certidão era um embuste. Conclusão: menos ingenuidade e mais atenção. O mundo está infestado de gente de má fé. Que se aproveita dos desejos e sofrimentos de outras pessoas.
Se me perguntarem se seria capaz de alugar o meu ventre, diria prontamente que não. Sou demasiado passional e talvez relutasse em entregar o bebé. Se seria capaz de pedir a uma mulher que tivesse um filho por mim? Não sei. Mas parece-me que não. Há por esse mundo afora, demasiadas crianças abandonadas. Porque não pegar numa delas e levar para casa?

3 comments:

L.S. Alves said...

Não sei porque as pessoas não adotam crianças em vez de gastarem fortunas com métodos de fertilização. Talvez seja o medo de ser apagado da existência. Muita gente crê que os filhos são o úico caminho pra eternidade/imortalidade.
Um abraço moça e que o mundo tenha mais adoções.

Clara said...

É verdade. E para quem adopta deve ser tão gratificante...
Beijos

Maria João said...

.. o grande problema da adopção são todo o rol de burocracias imposto...porque não tentar o nosso primeiro!? Abraço..