Friday, May 22, 2009


Eu andava nas nuvens. Mas estava mesmo no alto. Obrigaram-me a descer à terra. Como se uma mão gigante e de ferro, me tivesse agarrado e trazido bruscamente para chão firme. Entendo agora que não foram as palavras que me fizeram entrar em parafuso. Foi o regresso à realidade...foi o percurso entre o ar e a terra que me deixou com lascas de mil tamanhos.

5 comments:

Bela said...

Eu adoro andar nas nuvens, também sofro um pouco com o regresso à terra, mas só um pouco, porque depois que resolvo o que vim fazer aqui, volto a voar novamente.
Bjinhos ;)

Clara said...

Fico contente por não ser a unica. E também sou assim...volto a terra, resolvo as coisas e quando dou por mim estou outra vez nas nuvens:)
Mas estou a tenta mudar. Acabo sempre por sofrer. E tu?
Beijocas

Bela said...

Eu acho que não mudo não, gosto do movimento. Uma vida eternamente nas nuvens seria entediante; eternamente na terra seria o caos. Não sei se você conhece Raul Seixas, tem uma frase de uma canção que diz: “o homem é o exercício que faz”, acho que é bem isso, eu aproveito tudo, sempre.
Bjinhos ;)

Ah, é um prazer estar por aqui, rsrs.

Clara said...

Bela,
obrigada pelas tuas palavras. Fizeram-me reflectir e acho que estás certissíma. Mudar para quê? Não podemos fugir da nossa própria natureza...obrigada, de coração.
E sim, já ouvi falar do Raul Seixas - vou pesquisar mais um bocadinho.
Bjks

Maria Papoila said...

Espero que estejas bem...
Por vezes o regresso a terra também é saboroso...
Beijo grande